expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

De Volta para o passado

























2011, um ano nostálgico para o cinema
O ano está acabando e um padrão pode ser percebido nas produções que chegaram ao cinema em 2011, o olhar para o passado. A engrenagem do cinemão hollywoodiano escassa de idéias originais busca em remakes a fonte de histórias e a possibilidade de se apoiar em propriedades e conceitos já estabelecidos.
O mais recente reboot a chegar aos cinemas é o filme "Os Muppets" que aposta na lembrança de uma infãncia colorida com personagens queridos na mente de adultos beirando os 40 anos. No filme os produtores brincam com ironia sobre o ostracismo e a necessidade da franquia  se reinventar para uma nova geração.


















As vezes ao olhar para traz o cinema busca injetar energia artística nas suas veias  e curiosamente esse ano teve bons momentos onde a nostalgia foi a bússola de cineastas como Woody Allen, Martin Scorcese, Joe Cornish, Michel Hazanavicius, Steven Spielberg, J.J. Abrahams e Joe Johnston.

Meia-Noite em Paris
Em "Meia-Noite em Paris", de Woody Allen o tema central é a saudade de uma época em que não  vivemos. A reminiscência de uma era idealizada é ao mesmo tempo saudada e posta a prova por Allen em um dos melhores trabalhos que o cineasta produziu em anos.




















A Invenção de Hugo Cabret
Programado para estrear no Brasil em fevereiro de 2012 , o novo trabalho de Martin Scorcese, "A Invenção de Hugo Cabret" é um tributo aos primórdios do cinema e a magia inerente na arte de contar histórias no ritmo de 24 imagens por segundo feito por um diretor conhecido pelo amor aos filmes e que se dedica a restauração e conservação de filmes antigos com a Fundação Mundial para o Cinema.  Em "Hugo Cabret" Scorcese mergulha de cabeça na fantasia infanto-juvenil, um tema inédito na sua filmografia adaptando o livro homônimo de Brian Selznick, que tem no ilusionista e pioneiro do cinema fantástico, o francês Gerges Meliés (interpretado por Ben Kingsley), como um dos personagens centrais da trama. Outra inovação para  Scorcese foi optar por filmar com câmeras 3D e se aproximar do estilo impressionista na história de Selznick.




















The Artist
Um filme em preto e branco e mudo que trata sobre o início dos filmes falados em Hollywood em 1927, "The Artist" é a síntese do desejo de fazer cinema olhando o passado com carinho e devoção. O diretor francês Michel Hazanavicius enfrentou todas dificuldades inerentes ao projeto ousado e que parecia fadado a não acontecer. Cativando platéias o longa é a grande surpresa em um momento em que o cinema está se adpatando ao formato 3D, Hazanavicius decidiu que seria viável criar um trabalho singular usando o mais antigo dos recursos. Aplaudido em Cannes e tratado como um dos melhores filmes do ano por onde passa The Artist está abocanhando uma série de prêmios e possivelmente entrará em cartaz no Brasil próximo a temporada do Oscar 2012.


Attack the Block
Sem planos de ser lançado no Brasil, Attack the Block é uma empolgante aventura juvenil que resgata a energia de filmes dos anos 80 como Gremlins, Garotos Perdidos, Os Selvagens da Noite e Amanhecer Violento onde elementos fantásticos, um tom sombrio em oposição a uma força de vontade irresistivelmente otimista eram capazes de salvar o mundo ou pelo menos sua própria vizinhança. Joe Cornish, roteirista e amigo do übernerd Edgar Wright ("Todo Mundo Quase Morto" e "Scott Pillgrim"), dá um passo adiante para traz das câmeras e cria um pequeno clássico moderno onde meninos delinqüentes se tornam a linha de defesa contra uma invasão alienígena e com um orçamento modesto acabou fazendo tudo o que J.J. Abrahams sonhava realizar no superestimado Super 8.
























As Aventuras de Tin Tin: O Segredo do Unicórnio
Uma das maiores influências na gênese do personagem Indiana Jones, Tin Tin o jornalista aventureiro criado nos quadrinhos pelo belga Hergé ganha vida e movimento via o trabalho conjunto de atores e animadores no primeiro longa animado dirigido por Steven Spielberg, "As Aventuras de Tin Tin: O Segredo do Unicórnio". O cineasta é um dos mestres na arte de transformar pura nostalgia em cinema. Foi com a sua produtora Amblin que nos anos 80, Spielberg garimpou o sabor ingênuo de matinês dos anos 40 e 50 traduzidos em filmes de grande orçamento e oxigenados pela magia da empresa de efeitos especiais Industrial Light and Magic (do parceiro e camarada George Lucas). A Amblin criou gemas como "ET- O “Extra-Terrestre”, "De Volta Para o Futuro", "Gremlins", "O Enigma da Pirâmide", "Goonies", "Viagem Insolita" e "Jurassic Park". No Brasil "As Aventuras de Tin Tin" tem estréia marcada  para janeiro de 2012.


















Super 8
Bem sucedido ao verter as séries de tv Missão Impossível 3 e Jornada nas Estrelas para o cinema contemporrâneo, o diretor e produtor J.J. Abrahams um  fã e dissípulo de Steven Spielberg  fez uma carta de amor as trabalhos do diretor com Super 8. Aqui o diretor tenta (mas nem sempre acerta) reproduzir o espírito original de filmes como"E.T" e "Contatos mediatos do Terceiro Grau" e "Goonies". Do efeito lens flare (aquela distorção luminosa lateral onipresente), passando pela escalação dos atores-mirins com rostos típicos  das aventuras suburbanas do anos 80, chegando a  trilha de Michael Gianchino (ecoando sem discrição John Williams), Abrahams criou uma aventura que subsiste da sombra do mestre Spielberg (convenientemente o produtor executivo do filme) e apesar de momentos inspirados como o descarrilamento do trem, Super 8 se perdeu do objetivo de ser um filme permeado pela mágica aventuresca e ficou limitado a ser uma epítome bem intencionada dos melhores momentos da Amblin.

















Capitão América - O Primeiro Vingador
Joe Johnston foi escolhido pelo Marvel Studios por ter no currículo filmes que capturavam a ingenuidade dos EUA em filmes de época como a aventura "Rocketeer" e o drama "O Céu de Outubro". "Capitão América - O Primeiro Vingador" consegue traduzir a matriz dos quadrinhos criados durante a Segunda Guerra Mundial para o cinema blockbuster atual, mantendo a falta de malicia e a bravura do personagem intactos. Detalhes como a coreografia desajeitada dos combates são referência direta aos seriais dos anos 1940 produzidos pela Republic Pictures como "King of The Rocket Men", "Drums of Fu Manchu" e o próprio"Capitain America". A propaganda patriótica, um dos grandes empecilhos que esse super-herói trouxe embutido desde sua criação, foi driblado com sabedoria pelo roteiro e usado a favor da história.


Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...