expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Os trailers estão arruinando os filmes?

Acho que já vi essa cena antes
Hollywood dando tiros no pé
As campanhas de marketing na última década se tornaram monstros tão colossais (1/3 do orçamento dos blockbusters é dedicado a publicidade) que efeitos colaterais seriam inevitáveis. Antes do filme estrear são despejadas online quantidades generosas de fotos e vídeos que disputam a atenção de um público que se tornou mais disperso por diversas fontes de entretenimento. Parte da estratégia seria aproveitar as redes sociais para retroalimentar o interesse em torno do filme. No entanto a ansiedade em criar o hype está liberando conteúdo com pontos-chave do roteiro, reviravoltas e spoilers surgem nos trailers e roubam um pouco da primeira experiência com a história. Isso ocorreu recentemente com "Prometheus" - que tem o clímax estampado nos pôsters - e  "Os Vingadores". Nesse último o trailer revela uma cena decisiva no final do filme envolvendo o Hulk e o Homem-de-Ferro.
Preferia que essa cena não estivesse no trailer
Para exemplificar esse fato o editor de vídeos e ninja dos mash-ups, Louis Plamondon ( também conhecido como Sleepy Skunk) tomou o recém lançado nos cinemas em escala global "O Espetacular Homem-Aranha" do diretor Marc Webb, como objeto de estudo. 
Garimpando as múltiplas versões de teasers, trailers, clips e comerciais lançados oficialmente pelo marketing da Sony Pictures ao redor do planeta,  ele acumulou cenas de ação e sequências com diálogos e montou “Amazing Spider-Man in 25 Minutes”.  O vídeo é um coerente resumo do longa-metragem e que contém  elementos essenciais da trama (que podem estragar surpresas). A mensagem é clara para os executivos: vocês estão mostrando mais do que deveriam. 
É irônico que em uma época que a pirataria é a pedra no pé dos produtores de conteúdo original, os próprio estúdios estão canibalizando seus produtos.
Aliás, após concluir sua montagem, Plamondon observou que poderia chegar a marca de 45 minutos, pois uma semana depois de terminar o curta a campanha soltou uma nova leva de vídeos. Ou seja 30% do filme (que tem 135 minutos de duração) está disponível entre esses fragmentos promocionais.
O vídeo gerou debate em veículos como a Variety e Plamondon  participou do podcast Reject Radio onde  fala em detalhes sobre a repercussão da sua edição.
Após ver o filme nos cinemas vale assitir o curta abaixo  para refletir sobre a grande contradição que a indústria do cinema está produzindo 

Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...