expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

sábado, 5 de janeiro de 2013

Lista dos melhores filmes de 2012


Rebobine por favor>>>
Ano encerrado, hora de fazer um balanço emocional e recordar o que melhor passou pelos cinemas em 2012. Retrocedendo a moviola mental, fotogramas de aventuras fantásticas, feitos heróicos grandiosos, pequenos gestos de bondade e ponderações sobre a arte de filmar constroem uma sequência dos momentos memoráveis projetados na tela grande. 

Lamentavelmente, títulos como "Cabin in The Woods" e "Beasts of The Southern Wild", só chegaram por aqui via festivais e torrents. E grandes expectativas  do calibre de "Django Livre", "O Mestre" e "A Hora Mais Escura", viraram o ano nos armários das distribuidoras, aguardando a janela de lançamentos pré-oscar para entrarem no circuito. 

Considerando apenas as produções lançados no circuito brasileiro, separei os trabalhos que ultrapassaram expectativas e continuam reverberando na lembrança até hoje. A lista dos melhores de 2012 e algumas menções honrosas segue abaixo:

10 - "A Invenção de Hugo Cabret" 
("Hugo")
O filme de Martin Scorsese é uma carta de amor aos primórdios do cinema, jogando a luz do projetor sobre a figura do pioneiro Georges Méliès  A fábula inspirada no livro de Brian Selznick é o primeiro filme infanto juvenil dirigido por Scorsese, que graciosamente une a era do cinema mudo com a filmagem em 3D, duas pontas extremas na história do cinema em um comovente conto  sobre a mágica de se fazer filmes.

9 - "A Separação" 
("Jodaeiye Nader az Simin")
O filme do diretor Asghar Farhadi é um articulado tratado sobre a honestidade e o peso da verdade. A história centrada em três personagens - um casal em processo de separação e a empregada que supostamente sofreu um acidente em circunstâncias ambíguas - descortina as peculiaridades que regem as relações entre gêneros no Irã. Mas é no jogo de verdades, mentiras que o filme produz uma das análises mais instigantes sobre a sinceridade.

8 - "Drive"
É um refinado compêndio da carreira do diretor dinamarquês Nicolas Winding Refn, reunindo a direção de arte seca e expressiva, a violência inesperada e crua e uma proposta narrativa deliberadamente iconoclasta exalando o cinema autoral que William Friedkin e Martin Scorcese praticaram nos anos 70. 

7 -"Pina 3D"
O documentário sobre a coreógrafa alemã Pina Bausch é uma coleção carinhosa de imagens poéticas que transmitem a disciplina e o espírito lúdico da artista. O cineasta Win Wenders foi buscar no cinema 3D uma forma de evocar a beleza das criações de Pina, que faleceu em 2009.

6 - "Poder Sem Limites"
("Chronicle")

O diretor e co-roteirista Josh Trank  conta uma história simples sobre a ascensão do mal em um coração corrompido pelo poder. A escolha do estilo de filmagem semi-documental se justifica por enfatizar a justaposição de situações extraordinárias em um cenário  cotidiano.  Ao conectar a posição das câmeras com o desenvolvimento dos poderes dos personagens, Trank alça vôo visualmente e espera até o último frame para revelar um inesperado arco sobre heroísmo.


5 - "As Vantagens de Ser Invisível" 
("The Perks of Being a Wallflower")

Vinte anos atrás, corações inexperientes batiam doloridos ouvindo mixtapes caseiras com  The Smiths, Cocteau Twins, Sonic Youth e New Order no playlist. A adaptação do livro "The Perks of Being a Wallflower", do escritor americano Stephen Chbosky, encapsula  as emoções e conflitos de um grupo de adolescentes no início do anos 90. Dirigido pelo próprio Chbosky o filme é uma jóia singela, conduzida no ritmo cardíaco dos personagens, sobre as angústias da maturidade.

4 - "007 – Operação Skyfall" 
("Skyfall")

Por que ainda queremos ver um filme do James Bond 50 anos após o lançamento de "007 Contra o Satânico Dr"? "Skyfall" festeja e reflete sobre a história do personagem. Reagindo aos novos tempos de ciberterrorismo, onde as fronteiras tem menos peso, o roteiro questiona o custo de agentes correndo pelo planeta e a própria necessidade de um filme sobre o 007 nos dias de hoje. 

3 -"Holy Motors"

Sem filmar um longa metragem há mais de uma década, o cineasta francês Leos Carax criou uma jornada alegórica sobre as engrenagens e as dores da performance. O ator Denis Lavant se multiplica em personagens, que nascem e morrem no camarim dentro de uma limusine que navega através de Paris. Na primeira cena, o filme deixa claro que nada será convencional e literalmente quebra a quarta parede, para conduzir a plateia através de uma experiência surrealista intensa e inquietante. O filme desconstrói em esquetes, vários gêneros cinematográficos, sobrevoando a ficção científica, o musical, o drama e o thriller sempre mantendo uma distancia segura de qualquer contato com a realidade.  Artisticamente ambicioso,  "Holy Motors" é uma experiência desafiadora,  criada como uma celebração dos filmes e um lamento pelo eventual crepúsculo do cinema como conhecemos.

2 - "Os Vingadores" 
("The Avengers")
O filme aterrissou ao redor do planeta satisfazendo a vários desejos de eternos garotos   que aguardaram 40 anos para testemunhar uma aventura de super-heróis tão épica quanto as das páginas dos quadrinhos originais na tela grande. O diretor e übernerd  Joss Whedon, conseguiu realizar uma tarefa considerada fadada ao fracasso por muitos: reunir vários protagonistas e equilibrar o peso de tantos personagens na mesma história.  Simples, colorido e pueril,"Os Vingadores" está longe de ser impecável, mas é  de longe o filme mais divertido do ano.

1 - "Moonrise Kingdom"

A sensibilidade vintage dos filmes anteriores de Wes Anderson atinge seu ápice em "Moonrise Kingdom". A história de amor entre um casal de pré-adolescentes é mais um dos exercícios charmosos e estilizados do diretor. Localizando sua trama na década de 1960, Anderson abre sua caixa de influências peculiares, contendo músicas francesas obscuras, ilustrações retrô, vitrolas, máquinas de escrever e memorabílias afetivas. É um prazer observar as coreografias estudadas  e cacoetes estilísticos para narrar as desventuras de  famílias desestruturadas, jovens incompreendidos e adultos falidos emocionalmente.


Menções Honrosas:
"Looper – Assassinos do Futuro"
"Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge"
"O Espião que Sabia Demais"
"O Artista"
"Precisamos Falar Sobre o Kevin"
"Ted"
"Dredd"
"13 Assassinos"
"O Impossível"
"Fausto"
"O Hobbit: Uma Jornada Inesperada"



Leia mais sobre filmes no Macaco Malandro:





Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...